terça-feira, 5 de julho de 2016

:(

O humor negro é coisa para ser utilizada com parcimónia. Fica muito interessante no meio da intelectualidade, pode surtir algum efeito em contextos específicos da trivialidade, pode parecer eloquente, inteligente, mas deve ser utilizado com muita calma no meio das massas sociais. Atingir de forma bruta pessoas, com aspectos negativos de histórias de vida diversas, é perigoso e vulgar. Passa automaticamente de humor corrosivo, negro ou pintado às bolinhas, para falta de gosto, desrespeito e violência. Gozem com a bolinha de Berlim com creme que lambuza o verão. Com as senhoras que se abanam na corridinha da praia ao entardecer, ou com os senhores que fingem ler o jornal, pela centésima vez naquele dia, enquanto elas passam. Também podem escrever sobre as gaivotas que fogem da tempestade e tropeçam nos chapéus de praia, ou sobre os grupos que zumbam ao por do sol, com a música em altos berros, enquanto a praia debanda. Mas não façam isto. Isto, não. 

10 comentários:

  1. Temos um rol de humoristas muito desesperados por aparecer. Então, em vez de fazerem humor, tentam chocar ao máximo, já que em humor conseguem muito pouco. Depois vêm dizer que as pessoas não têm sentido de humor quando, na verdade, eles não nos conseguem mesmo fazer rir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conseguem mesmo. Há partes mais dramáticas, mas todo o conteúdo é francamente duvidoso...

      Eliminar
  2. Gosto de humor. Gosto de humor negro. Mas este de tão idiota, para não lhe chamar outra coisa, nem me impeliu a ler até ao fim.

    ResponderEliminar
  3. Sinceramente em geral até achei graça.

    Só me chocou mais a parte da "trissonomia 21 que dá jeito nas fotografias" e a parte do "cancro no puto da jeito por causa dos subsídios" e a ideia de "sao sujos porcos, maus e burros" dos mitras.

    Compreendo o que queres dizer, acho que o humor negro é para ser usado com reserva (eu uso muito, mas as regras são generalizar o mais possível, ou entao ser mesmo humor negro contra mim propria, o que é a larga maioria)

    Beijinhos de uma leitora fiel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Contra nós é válido... No resto, é necessária cautela.

      Beijinhos para si também...

      Eliminar
  4. culpado é quem o publica...
    e este senhor é escritor? não me parece...
    mas neste país, onde livros do Pedro Chagas Freitas estão nos lugares cimeiros de vendas, está tudo dito, não?

    (fiquei com vontade de escrever um texto sobre "os cronistas que se julgam escritores")

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cronistas que se julgam escritores é um bom tema... Há tantos por onde pegar... :)

      Eliminar
  5. Acho que o humor e a sátira sempre, ao longo dos tempos, tiveram onde buscar material, mas, nos dias que correm, não falta tema para trabalhar, por quem tem verdadeira veia artística na área do humor (porque é preciso!), sem ter que recorrer a isto. Pessoalmente não gosto do chamado Humor Negro. Não considero que seja humor mexer em temas que, de alguma forma, ainda que mínima, melindre um que seja.
    Penso que há temas que são proibidos. Proibidos sim. Porque as pessoas têm que ter o mínimo de consciência de que os seus direitos terminam quando iniciam os direitos do outro e, é direito fundamental: respeito pelo indivíduo.
    Acredito que, neste caso, até se trate de uma criatura que fez uma má escolha na hora de querer ser engraçado, vá-se lá saber por quê - ele mesmo diz que escreveu e rasgou vários escritos, antes de concluir a obra encomendada. Custa-me é entender como não houve ninguém a seu lado (seja família/amigos ou a nível profissional) que reflectisse que isto, por mais "inocente", não iria cair bem a todos... Enfim.

    abç amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo Carmem. Até lhe reconheço alguma piada, em alguns textos que já li. Este, com alguns ajustes, teria certa graça. Quando entra a colocar gozo no que pode realmente magoar, perde tudo quanto poderia ter.

      Abraço para si :)

      Eliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores