sábado, 2 de julho de 2016

corram, meninos, corram

Pela vidraça da colina espreito uns garotos que correm sem rumo e galhofam muito alto. Um casal acusa-os de ruído, ao mesmo tempo que comem uns pastéis de nata e discutem a mocidade, já nada é como era, afirmam. Os jovens não têm educação, as crianças não obedecem aos pais e aos professores, o país está em vias de exaustão, qualquer dia não aguenta esta canalha e desfaz-se redondo no meio do chão. O que o segura são as pessoas mais velhas, que muito em breve morrerão. Fico a olhá-los e sinto-os muito mais ruidosos do que os miúdos que passam a correr e a saltar. Estão sentados a fazer um barulho ensurdecedor, basta que mexam os lábios, que mordam o pastel com a boca muito aberta, que olhem de cima com ar de pompa e reprovação. Faz-me doer a vista quem se sente no direito de praguejar sobre a alegria, difícil de recuperar anos mais tarde. Dá ideia que os desassossega quem ainda consegue ser só porque lhe apetece, quem corre por gosto, quem salta por nada, quem canta sem voz, mas com ganas indomáveis de vontade. Tenho para mim que o mundo seria muito mais feliz se as crianças mandassem mais. Num mundo orientado por quem grita quando quer gritar, por quem ama quando quer amar, por quem chora quando quer chorar, e por quem ri quando quer sorrir, seríamos todos muito mais satisfeitos. Assim somos uma carneirada critica de olhos em tala, que abafa a tristeza e a alegria, que normaliza a igualdade, que desaprova a individualidade, e que mata a personalidade mágica e interventiva de cada criança endiabrada. Somos quase todos mais do mesmo; pães de sal mediano, tamanho racionado, sem gosto expressivo, secos como um carapau. Os excessivos em fartura ou em falta são defeituosos, retirados da linha de produção, pelo sim, pelo não. O pacote visto de fora parece perfeito, sem côdea, já fatiado, sem custos adicionados. Sem doce, sem manteiga primor ou queijo dos Açores, sem chouriço ou salpicão. Nada disto condiz com a minha natureza, tipicamente portuguesa, de gema, alma e coração.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores