sexta-feira, 14 de abril de 2017

entre um bitoque e um café

Dizem por aí que ao fim de tantos anos eu já deveria compreender tudo, analisar quem passa a olho nu, permitir os insurgentes, a bem da verdade aceitar o mundo tal e qual ele é, ajustar positivamente o possível, compreender a apaziguar as tentativas mais ofensivas que me dirijam, enfim, devo à minha profissão a tolerância. Olho para todos os que assim sentem e sorrio, ora em sorriso aberto ora disfarçado, depende do interlocutor e do meu humor de momento. Hoje, passados alguns anos e muitas histórias, o que menos me apetece nas horas vagas, quando olho o mundo em geral, é analisá-lo, compreendê-lo, aceitá-lo ou perdoá-lo. Nas horas vagas preciso essencialmente de mim e de alguns dos meus, que podem ser pessoas, animais, livros ou lugares. Preciso de me esconder uns momentos das outras pessoas, necessito de me livrar dos anseios, das fúrias, das ansiedades e das derrotas. Quando olho para um casal, nunca lhe procuro infidelidades, pontos comuns ou dispares, cumplicidades ou divergências. Quando olho para uma família não lhe analiso a mecânica, não lhe procuro passos em falso, não lhe pesco gestos atribulados. Quando olho para um jovem não lhe capto a natureza, defensiva ou ofensiva, há-se ser uma, há-de ser a outra, eventualmente em dias alternados. Quando me deparo com todos eles vejo só pessoas, incluídas na paisagem, e passado um minuto já me esqueci delas, já se perderam juntamente com uma oliveira ou uma porta pintada, da qual nunca mais na vida lembrarei o número. Isto é muito facilmente justificável, o meu único descanso é vazar o meu corpo dos sentires alheios, é eventualmente tentar entrar mais fundo nos meus, deixando de lado todas as outras dores e todos os outros medos. Ninguém me perdoa esta minha vertente mais egoísta, já o percebi há muito tempo, principalmente a meia dúzia que espera de mim algo próximo da perfeição, no que toca à disponibilidade para cada qual, devo sempre uma atenção a quem está perto de mim. Não me incomoda, deixou de me incomodar esta divida permanente. Hoje consegui o milagre de considerar-me quando todos esperam de mim o inverso, não sendo fácil, nada fácil, entrar em choque frontal com a sociedade que institui. Demorou anos, décadas, uma vida, uma história. Como qualquer grandiosidade demora, não há cá grandes conquistas feitas numa hora de almoço, entre um bitoque e um café. 

4 comentários:

  1. O nadador (ou o maratonista, o princípio é universal, seja na água ou na terra) mais eficaz é o que melhor sabe dosear a energia, tornar-se invisível face ao meio onde nada, ou corre. O melhor nadador é o que flui na água como se não a perturbasse. O corredor, o que minimiza a perturbação do ar. Em ambos os casos, não desperdiçam esforços com o atrito. Só doseando a energia, a força vital, chegam ao fim, à meta. Mas aprender isto, é o trabalho de uma vida.

    Votos de uma Boa Páscoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um vida inteira. Eu digo que já lá estou, mas obviamente que exagero...

      Muito obrigada. Igualmente para si.

      Eliminar
  2. Compreendo tão bem o que diz. Por exemplo, só atendo o telefone quando me apetece, excepção aos muito próximos. Sei que é egoísta mas esse egoísmo é fundamental para mim agora.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O egoísmo é um conceito que presentemente analiso. Nem sempre quando parece, é...

      Eliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores