domingo, 14 de outubro de 2012

De como, também, ensinamos.

O cãozinho tem só três patas e o veterinário indica o abate. Não por sofrimento do animal, mas sim pela excessiva dedicação que vai exigir ao seu dono. A mãe olha para a filha com olhar de quem questiona, e agora?, sem que a pergunta lhe saia da boca. A miúda, expedita, percebe-a a léguas de distância e responde-lhe, já percebi o que me estão a querer ensinar. O que é diferente, mata-se. 
Pegaram no cão e vieram embora, mas de facto o que há a reiterar daqui é que as crianças são fantásticas, os adultos é que dão cabo delas. 

( Na maioria das vezes nem pensamos na dimensão. Ensinamos palavras, boas maneiras, pressupostos, teorias, história, literatura, política e acções. Tudo devidamente enquadrado dento daquilo que consideramos apropositado fazer. Esquecemos, com elevada frequência, o subentendido das intenções. E logo depois pasmamos, ignorantes, com as consequências.)  

6 comentários:

  1. tenho estado a (re)ler o principezinho com o meu filho, nas últimas noites. esta tua história também podia lá estar...

    ResponderEliminar
  2. Ou, as crianças perdem-se ao se tornarem adultas...

    ResponderEliminar
  3. Podia, não podia?? Existem coisas que só a genuinidade nos ensina... :)

    ResponderEliminar
  4. Sputnick, daria pano para mangas. Perdem-se, claro, mas, e como? De forma consequente e impossível de contornar, ou será possível o crescimento e a genuinidade ao mesmo tempo???

    ResponderEliminar
  5. Não concordo com essa ideia de que um adulto é alguém que perdeu a genuidade. Existem muitas formas de se crescer e normalmente quando se cresce mal, diz-se que se tornou um adulto. Acho triste e redutor. Um adulto não é alguém que se questiona, que avalia e re-avalia as prioridades e os valores ? Que valoriza a genuidade ? Que cresce "bem" ?

    ResponderEliminar
  6. Carla, um adulto deveria ser tudo isso. Em competência, pode sê-lo, em essência, julgo que não, senão sempre, muitas vezes. É isso. Mas não me atrevo a reduzir ninguém, de forma nenhuma. Contrariar a tendência é um desafio, ganhá-lo, está ao alcance de todos nós. Sorrisos para si.

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores