segunda-feira, 5 de agosto de 2013

silêncios

Sei exactamente em que data se iniciou a clausura e conheço-lhe as razões como à palma da minha mão, que apesar de vincada a sulcos profundíssimos é mais minha do que o próprio chão. Sei onde se inicia cada traço, onde morre cada gesto, onde vive cada palavra e onde mora cada lágrima. Sei-lhe as intensidades, as fraquezas, as espinhas e os predicados, leio-lhe os sorrisos e as felicidades, encontro-lhe os segredos e tolero-lhe as vaidades. As razões, assevero-vos, são tão basilares à minha existência como o ar que respiro ao segundo, sem quebra ou interrupção. Pouco se abrange deste excesso, talhado em trajectos antagónicos que expulso pela boca por prenúncio, quiçá presunção. Eu é que sei. É tudo tão claro como os silêncios das minhas mãos.  

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores