quinta-feira, 3 de outubro de 2013

dos luxos

Ainda continuo na dúvida existencial entre o dinheiro e o tempo, na classificação internacional do luxo. Hoje pensei nisso quando trouxe o jornal que não li por falta de tempo, a alguém com horas vagas que não o pode comprar. Abriu a janela, sorveu o ar com cheiro a humidade, encostou-se numa cadeira carunchosa e deixou-se estar, com tempo e sem dinheiro nenhum.

( Isto foi escrito há uns dias mas não foi publicado, por falta de tempo e paciência. Entretanto, e por portas travessas, descubro outro luxo muito mais importante: a lucidez. Levem-me o pouco dinheiro, roubem-me as réstias do tempo, mas deixem-me a lucidez fora disto. Não há nada mais incómodo do que observar a sua inexistência, aqui e ali, em apontamentos extraordinariamente frágeis, alucinados, pequenos de meter dó.)  

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores