quarta-feira, 7 de novembro de 2012

(...)

Pode ser Outono ou Inverno, dia ou noite, aqui ou ali. Há chuva e no meu rádio toca no woman no cry, um clássico, impossível não gostar. Mas podia tocar outra coisa qualquer, há pequenas particularidades que aprecio, sejam elas quais forem, não me ocupam desde que mais exista. Dentro das primazias mas menor, muito menor do que a maior, temos a chuva, já ela importantíssima. Os dias de chuva convidam-me ao sossego e eu gosto dele mesmo nos dias de sol. Estes últimos têm porém o pormenor de me vascolhejarem por dentro, de acordarem partes de mim ainda que outras queiram apenas estar. Não somos completamente consistentes, digo eu. Somos repartidos em corpúsculos autónomos, em fragmentos particulares uns num lado outros no outro, muito embora o que possa valer seja a totalidade. Ou não. Por isso, e só por isso, talvez seja mesmo possível eu delinear olhos no espelho, por exemplo, enquanto o resto de mim não está. Ainda que no reflexo, e revelasse ele tudo o que eu encerro, se avistasse todo um sentimento, muitíssimo além de uns olhos tingidos a negro pelas minhas mãos, trémulas e imprecisas.

4 comentários:

  1. Mais do que tudo o resto, é uma questão de treino e persistência. Aliás, está comprovado que as mulheres conseguem fazer várias coisas ao mesmo tempo... :)

    ResponderEliminar
  2. Hum, várias não será um exagero? É que o empenho, e a ser distribuído, tem efeitos consequentes... :)

    ResponderEliminar
  3. MiniPim, lerei coisa nenhuma... Eventualmente, na loucura, a minha mente e os meus pensamentos. O resto?, meros ensaios, tantas vezes inconsequentes... :)

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores