quarta-feira, 6 de março de 2013

ignorâncias

Gosto quando encolho ao tamanho da formiga, pessoa pequena, que me permite a mesquinhez da existência. Todos a temos, ou sempre ou só às vezes, em dias alternados, o que for, até quem do pico da altura apregoa que não. Nessas alturas satisfaço-me com a fraqueza de quem "sabe", de quem bebe subtilezas e as liquefaz, plena de direito em devorar a proveito próprio. Vai-se a ver e tem, cada um sorve o que quer e como quer, chama-se a isso direito de liberdade. Exactamente igual ao que eu tenho em me sentir majestosa com o júbilo infundado que emana entre sorrisos e diminutivos desfeitos a brandura selecta, uma maravilha compostinha, pequenina, que faz gente feliz. Não tenho nada contra alegrias alheias, atenção. Esforço-me até, diariamente, em fazer rir quem chora, em afagar quem sofre, em acarinhar rostos marcados a ferros eternos que só a morte há-de matar. Mas encolho assim, é um facto, nas alturas em que sinto um gozo danado pela ignorância, ufana, de gente alegrada que passa perto. Que espreita, serve-se a gosto e foge. Calada, feliz e ignorante.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores