sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

...

Se encaramos desajustes nas pessoas, deveríamos também considerá-los nos animais. Encarar que um cão só pode ser mau por culpa dos donos, equivale, mais coisa menos coisa, a dizermos que as pessoas só são más, eventualmente desajustadas, por culpa dos pais. Será que a natureza foi perfeita com eles e imperfeita connosco? Será que não há leões bons, formigas preguiçosas, gatos desajeitados e galos dorminhocos?

(Gosto mesmo muito de animais. Sou completamente a favor dos seus direitos e dos nossos deveres para com eles. Só sou contra fundamentalismos. Basicamente é isso.) 

7 comentários:

  1. Concordo..e este texto lembrou-me um acontecimento recente...

    Sorrisos...

    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, possivelmente o mesmo que me levou a escrevê-lo...

      Eliminar
  2. Concordo completamente, Carla. Penso que houve desenvolvimentos novos dos quais nada sei acerca da criança de 18 meses e do cão atacante. Falando só do que sei até agora, é para mim incompreensível que haja uma petição contra o a abate do cão e não haja outra ou outras (muitas) a defender as crianças - aliás nem sequer se falou da criança, a um certo ponto. Ora bem, estou farta deste tipo de fundamentalismos e um animal (por muito que os respeite) não vale mais do que uma criança/vida humana. Ponto. Ou andamos com as coisas trocadas? Outra coisa que dizes muito bem : dizem sempre que o cão é mansinho, que nunca fez mal a ninguém. Curioso porque com os psicopatas e serial killers é muitas vezes assim, é quase sempre assim. Muito calmos, não fazem mal a ninguém... até que um dia... E mais não digo. Obrigada pela tua racionalidade, humanismo e voz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fátima, é isso mesmo que me indigna. Os excessos aliados a opiniões extremistas que mais não são do que irracionalidades, quando se perde a noção dos limites. Respeito por eles, claro, mas clareza de opinião. E respeito pela vida humana, ainda para mais indefesa. Enfim...

      ( Quem agradece sou eu, a tua simpatia :)...

      Eliminar
  3. pelo q percebi, a criança entrou numa cozinha escura e tropeçou no cao q se assustou.
    1) assim como há pessoas, há caes q nao deveriam estar perto de crianças. nem todos sao pachorrentos e peluches, cada um tem a sua personalidade e burro é aquele q decide meter um cao denominado perigoso perto de uma criança.
    2) o abate do cao é a ultima soluçao. os meus pais tiveram um cao que, um dia mordeu uma pessoa e decidiram metê.lo numa quinta. ainda o foram visitar, doridos com saudades mas conseguiram uma soluçao.
    3) o abate nao é um castigo para nenhum cão. se a pena de morte é um aviso para os humanos, para os caes sao o fim.
    4) pessoas que assinaram a petiçao (nao faço parte delas) nao gostam mais de animais do que de crianças. consegue-se gostar de ambos ou (geralmente) meter cada um no seu devido lugar. se essa tal petiçao conseguiu tanta gente, talvez exista algo que deva ser revisto na história.


    (beijinho)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sophia, que bom tê-la por cá :)
      Concordo com tudo isso que diz. O que me transcende, e isso verdadeiramente, são mesmo os fundamentalismos excessivos. Julgo que se perdem clarezas necessárias para que se pense em coerência. Perguntaram-me ontem se eu concordava com o abate do cão. A única coisa que consegui dizer foi que não sabia muito bem o que dizer. São assuntos delicados, mexem com diversas questões. Analisá-los conforme merecem, será o mais prudente que se pode fazer... Sem, excessos...

      Eliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores