quinta-feira, 20 de junho de 2013

rua

Passo na rua do suplício que eu nunca tinha visto e que está lá há muito escrita numa tabuleta em pedra onde a inscrição se encontra desenhada em letras limpas, vá saber-se porque nunca a encarei de frente, saber-se ainda o porquê de ter sido hoje, que nem abrandei o passo rápido que me acompanha demasiado, todos os dias. Lembrei-me da romaria que descia a ladeira do suplicio e da procissão do archote, que alumiava simbolicamente as gentes da terra que a percorriam na noite até ao cemitério, lugar do qual assobiavam foguetes luminosos a céu aberto, aceso e ruidoso. Os mortos devem ter medo, pensava eu enrolada às carranchinhas do meu pai. É a romaria explicava-me ele, enquanto o fresco da noite reunia gentes encabeçadas pelo pároco que fazia questão de levar uma tocha em mãos até ao final do arraial. Aquilo não era um sítio qualquer e eu, do alto de uns anos baixinhos e assustados de medo, sentia-o bem. Sentia-o nas preces murmuradas da minha avó Rosalinda, no choro abafado da minha tia Hermínia, nas orações ocultas do meu avô que não rezava, e nos olhos clandestinos que sorviam a luz e a noite, à espera do milagre. Os meus miravam tudo e percebiam que o mundo é um sítio de adultos no qual as crianças têm de crescer a comer pão de forno com manteiga e a beber leite fervido, sempre passado a passador de rede, e se puder ser com chocolate. Queria tanto ser crescida e poder saber o que era aquilo que morava ali, que havia quem lhe chamasse fé. Mas nem é esta história que aqui me traz, hoje não estou para nostalgias. Nem propriamente a crença, espelhada nos suplícios dos  transeuntes que ainda hoje dobravam a esquina da rua com o mesmo nome. O que me traz, ainda que possa não parecer, é a nossa capacidade selectiva que quase morre despercebida, tanto quanto os segundos que não contamos e os odores que não cheiramos. Nada mais do que a perfeita natureza, o que seria de nós se tudo soubéssemos? Soube hoje que a rua se chama suplício, nunca mais me vou esquecer. Mas a rua continua a mesma e certamente irei cruzá-la vezes sem conta, apressada, em bicos de pés, sem a ver. Ela, não sei se me conhece (ainda que me tenha dado a sua graça).

( Em criança pensava que o mundo era dos adultos, hoje sei que o mundo é das crianças. Concluo então que crescer dá conhecimento e que se soubermos muito, perdemos coisas.)

8 comentários:

  1. Muitas vezes a rua da vida não passa da Rua do Suplício. Quer sejamos crianças detentoras do mundo, ou adultos abnegados pela incerteza.

    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não pode Paulo, não pode. Ou no mínimo, não deve. Tudo pertence na real medida que deve a cada idade que se atravessa, não concordas? Abnegar a incerteza faz parte de nós adultos. Viver na consequência, também...

      Beijos para ti...

      Eliminar
  2. muito bom o remate final entre ( ) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)))
      (só pena ser um pouco verdade...)

      Eliminar
  3. Mas olha que fazer com que o mundo seja de ambos é só uma questão de abrandar um pouco o passo, não como tu fizeste - que pareces não o ter feito e o nome ter surgido à tua frente por acaso, ou nele teres reparado por acidente, sabe-se lá. Abrandar o passo e sentir, os tais cheiros; olhar e ver, todas as cores e formas; deixar que as brisas nos envolvem; ouvir e escutar, até os silêncios. E, já agora e pensando bem - o mundo também não é deles [das crianças] porque, de tanto entusiasmo que pôem em certas coisas, deixam passar outras, tal como nós.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) O mundo, e a bem da verdade, não será de ninguém e será de todos nós, querida Antígona. Da forma como o conseguimos, queremos e ousamos captar...

      Eliminar
  4. Quanto mais sabemos menos serenos somos :) Não tenho quaisquer dúvidas. Que bom é ser criança... ou ter um lado assim e ser feliz com ele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos temos lados assim, Fátima. A questão é que na adultez valem o que valem, merecem existir, precisamos que vivam, mas já não é a mesma coisa. Não é um queixume, atenção. É uma simples forma de ver a realidade...

      Eliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores