terça-feira, 2 de abril de 2013

do amónio dos dias,

que vai-se a ver e é hábito tal que a estranheza não surge, nem quando há só um fígado. Ou de como a destreza da ideia se abate arruinada nas realidades ficcionadas, mais efectivas do que o deus nos acuda. Valha-nos, pois então.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores