sexta-feira, 12 de abril de 2013

classe



Precisamos dela, também como reguladora do capricho do "querer". Não, não me venham com a máxima, desusada, de que podemos tudo quanto queremos. Uma mulher pode, e muito, mas perdê-la, à classe, será porventura o derradeiro do destino. A mim, juro-vos, antes me levem pérolas e caxemiras.  

6 comentários:

  1. Essa máxima seria óptima, se verdadeira.
    Não é viável perder-se aquilo que não se tem. Mulheres (e Homens, claro!) com classe é qualquer "coisa" em vias de extinção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda vai havendo, olhe que sim. Mas exigia-se mais, de facto...

      Eliminar
  2. Estarão ligadas, Paulo??...

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Vem de dentro, e também dos ensinamentos... digo eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Eventualmente, Sputnick. Como tudo, de resto...

      Eliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores