segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Viagens

Lá num alto, muito acima da minha cabeça, repousavam os coelhos. As coelheiras, dispostas em filas, viviam dentro de um barraco de madeira construído para o efeito, comido devagarinho pelo sol e pela chuva, que pareciam dele alimentar-se, como se disso carecessem, para se assumirem grandes e fortes, pobres de nós que sob eles vivemos, submissos. Mesmo ao lado, o galinheiro, rodeado de uma rede larga e redonda, acomodava os frangos brancos e gordos, que se degolavam quando estavam capazes para isso, dois meses volvidos do nascimento, mais coisa, menos coisa. Nunca assisti à operação, embora tenha visto com frequência a dos coelhos, um espectáculo pouco recomendado, mas que na época, soava a banal. Um murro no lombo, o pobre esperneava, e pouco depois era amanhado, enfiado em vinho e alhos, e no dia a seguir na panela. Não podiam esquecer-se de retirar o fel, um pequeno pedaço de fibra verde alojado no fígado, que se deixado, largava um amargo forte e intenso em todo o cozinhado, que ficaria de imediato inutilizado, deitando por terra todo o preparado, desde a matança, até ao tacho, passando pela incredulidade da expressão dos meus olhos, ainda pequenos. Por detrás das casas da bicharada, ervas cresciam todas misturadas, sendo preciso algum tacto na colheita, a fim de se apanharem apenas as apropriadas, não fosse o descuido acontecer, e deixar os pobres coelhos envenenados. Eu, gostava especialmente de lhes tirar as caganitas, em forma de azeitona, duras e abundantes. Os frangos, esses, ingeriam uma pasta de farelo e couve migada, misturada com outros restos de comida de sobejo, todos remexidos num alguidar de barro especialmente destinado ao efeito, riscado de verde e laranja, envernizado por fora e muito brilhante. Tudo isto, se dava na casa da minha bisa, território do qual já só existe o sítio. Hoje, no Alentejo, ainda que ao de longe, vi cenários quase iguais. Não trouxe um coelho, mas veio um pão. Cheira a fermento e atenta-me a alma.

4 comentários:

  1. Cheira sobretudo a memórias e não melhor cheiro que esse...

    ResponderEliminar
  2. Não há comentário que te deixe que não tenha uma gaffe, irra cérebro queimado!!!

    Não HÁ cheiro melhor que esse lol.

    ResponderEliminar
  3. Se te atenta,come-o. Saboreando, claro :)
    PS
    (Já fazias falta)

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores