terça-feira, 10 de agosto de 2010

Proveitos

É bem certo, que nesta vida, tudo de bom tem um lado contra, e também o inverso, ou seja, quando algo de ruim acontece, bem esmiuçado, encontramos proveito, mesmo que assim não pareça. Ainda me lembro da minha avó, que atribui à amante do meu avô, o facto deste se ter livrado do internamento no Júlio de Matos, na época ainda bem no activo. Senhor Manuel adoecia com frequência deste e daquele mal, que ninguém via senão ele, o pobre coitado, que passava horas a fio defronte ao espelho, a analisar a língua, que houvera de ser rosa, e estava branca, e o branco do olho, que houvera de ser branco e estava raiado, tudo, devido a uma poderosa enfermidade que ninguém diagnosticava. Quiçá, seria até desconhecida do velho Doutor, que na época se deslocava a casa, de ar já gasto e cansado, e que se mostrava muito pouco atento às evoluções das maleitas e das pestes trazidas de fora por este e por aquele, que bem certo seria, que aquelas coisas das emigrações, tão em uso por lá, traziam doenças sem fim, aos pobres povos que ficavam na terra. Nem atingia a dimensão da coisa, dizia o Senhor Manuel, que estava já quase de pé para a cova, ou melhor, de pé para o Júlio, que o Doutor afinal nem era parvo, não fosse a airosa Senhora, que se chegou perto, e lhe lavou a alma. Uma bênção continua a dizer minha avó. Dona Maria, ainda hoje mantém contacto com a dita Senhora, tal a gratidão sentida, sem nunca se ter mostrado sabedora do adultério, fazendo questão de a presentar com almoços dignos de Rainha, aquando das festas da aldeia, ou dos anos do seu Manel.
Esta realidade bem próxima revolta-me o pensamento, de tanto que a quero crer. Preciso de ver lados bons, de coisas menos boas, que parecem ser algumas. Ou pelo menos acreditar que estão lá.

Atenção, e só num aparte, a história parece exagero, mas em nada o é. Ainda assim, só lhe tento aproveitar o ensinamento, que só mesmo Dona Maria, Senhora minha avó, para ver o lado bom desta coisa, que eu, nunca o veria. Para além disso, o Júlio é lindo e cor de rosa. E os Psicólogos de lá precisam de trabalhar.

1 comentário:

  1. Que mulher, a Dona Maria! Também acho que não era capaz de ver o bright side dessa situação.

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores