quarta-feira, 20 de abril de 2011

Do Chico Espertísmo

Somos um Pais de Chicos Espertos. Uns Chicos meio atabalhoados, o que nos encaixa na perfeição, que vai-se a ver e no fim, quando o cerco aperta, ficamos nas lonas e gritamos Ó tio Ó tio de forma patética e ignorante, à espera que nos peguem ao colo e nos salvem da merda onde nós próprios nos encaixamos ( ufa, escrevi merda. Aplaudam, pff, que não é todos os dias). Nem se trata de fenómeno direccionado, utilizado em prol de nos socorrer em momentos de aflição, mas sim de uma postura diária, já um hábito, que chego a julgar, cometermos até quando não precisamos dele, tal é a naturalidade com que o assumimos. Deve ter-se entranhado na pele, é o que é, fazendo já parte até, quiçá, do nosso código genético, fiel apropriador de características nas quais nos especializamos, tal e qual um dente que surge ou desaparece, conforme a necessidade. Ele é nos serviços públicos, onde tentamos passar à frente na fila com a utilização de um conhecimento ganho, daqueles mesmo muito bons, capaz de nos fazer aquele favor, naquela hora, naquele sítio exacto. Ele é na boa da cunha, que vem mesmo a calhar e que pode ultrapassar aqueles trâmites legais que são um aborrecimento do pior, do envia curriculum, vai a entrevista, enfim, uma canseira, quando se pode ir directo ao amigo de fulano, que por sua vez conhece sicrano, que podemos nem sequer saber muito bem quem é, coisa que nem importa nada, pois pode ser que ainda assim nos salve a pele. Ele é na fuga aos impostos, que agora são mais do que muitos, mas que quando eram menos também era bom fugir deles, que pagar ao estado e morrer, quanto mais tarde melhor. Ele é abusar de regalias como atestados ou outros que tais, que se solicitam ao Médico em caso de necessidade de férias não previstas, mas às quais nós temos mesmo de ir, e que por isso, a chegada fulminante de uma dor de garganta cortante vai dar um jeito fenomenal. Ele é o baldarmos-nos ao nosso trabalho, que aquilo lá há sempre quem pegue, e se nos pudermos encostar um bocadinho naquela bacana da Felisberta, ninguém dá por nada, ela faz, nós passeamos no facebook e no fim assinamos. Um mimo. Ele é no suborno detestável, do toma lá um almoço para me perdoares a multa das normas de higiene do restaurante, e se quiseres, para o mês que vem, almoçamos outra vez, que sempre fica mais em conta do que as multas pesadas que passarias se cá pusesses os pés mesmo a sério, e não assim, a brincar e à vontadinha.

E depois, o ciclo constrói-se e torna-se de tal forma vicioso, que o desgraçado que queira respeitar a sociedade e usar de cidadania, vê-se na necessidade de esperar duas horas no centro de saúde enquanto o Chico Esperto lhe passa à frente. E respeita a obrigação de pôr o lixo no caixote, enquanto pisa a casca da banana alheia e bate com o rabo no chão. E vê-se ainda na necessidade de lavar o sapato que pisou o cagalhoto do cão do vizinho, enquanto leva o do seu dentro do saco transportado para o efeito. E depois começa a pensar, no que é que ganha com tanta canseira e respeito ao próximo, senão uma noite sossegada, que vai-se a ver, e já nem é tão sossegada assim, que a injustiça às vezes, já invade as entranhas, e já faz questionar as acções. E pensa ainda, e aqui muito, como explicar ao filho que ele tem de cumprir quando ninguém cumpre, que ele tem de esperar quando ninguém espera, que ele tem de pagar, quando ninguém paga, e que ele tem de ser o João, quando o resto do País se chama Chico e é Esperto. Porra pá. Acho que não sei andar nisto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores