terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Assincronias

Nem bem conhece o que são médicos, uns senhores de bata branca, afirma, dignos de respeito pela sapiência que acartam em si, que podem curar maleitas do corpo, ou até da alma, que também as há, com as mãos que Deus lhe deu. A ela nunca foi preciso, que sempre foi mulher de saúde, talvez porque sempre trabalhou de sol a sol, e às vezes, noite dentro, que a costura era o seu ofício, e houve alturas, de marchas populares, ou outras festas tradicionais de Alfama, em que a solicitação era tal, que o dia não lhe chegava para dar vazão ao trabalho, pelo que se valia da noite, como sua preciosa aliada nessas horas que não tinham fim. Não conhece o que são diabetes, hipertensões ou outras complicações, que com ela nunca nada quiseram, chegou a dizer-se, sua mãe em tempos, seus filhos agora, que é por mor do seu feitio empedernido, que as doenças não lhe assaltam o corpo, demasiado rijo, até para elas. Ela prefere a outra explicação. Como história de vida, entre outras que agora nem salienta, deixa o fogo em Santo Condestável, principal responsável para o desaparecimento do seu assento de nascimento, que decorreu exactamente no ano de 1022, mas que sua mãe, perdida no meio de tanta descendência, e aquando da recuperação dos registos, ousou dar-lhe a vinda a este mundo, pelos anos 20, ou seja, dois anos antes. O seu bilhete reza pois 90, quando na realidade conta 88, com muito orgulho.
Nem bem percebe o que agora se passa, que nunca nos dias da sua vida, tal como já foi dito, necessitou de remédios, de corpo ou de alma, pelo que de repente, contrariando todas as teorias justificativas, ao seu estado de saúde pleno, surge-lhe agora, aos 88, legalmente 90, algo que a atraiçoou, e a atirou a uma cama, que apenas conhecia nas horas tardias da noite, fora algumas, como expliquei, onde nem sequer a tocava. Não gosta dela, assim, para a aguentar tanto tempo. Sente-se por ora numa luta tamanha, entre um corpo que lhe quer descanso, e uma mente, que ainda quer vida. Assustam-me estas assincronias.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores