terça-feira, 18 de janeiro de 2011

...

O mar estava de um azul escuro e opaco, quase parecia, de uma densidade total, deixando a ilusão de que nada albergava dentro, pela impossibilidade de algo ali sobreviver, naquela força, naquele breu. As rochas escarpadas da envolta, levavam com a sua fúria, sem no entanto sofrerem qualquer tipo de alteração, sendo que se mantinham iguais a elas mesmas. Assemelham-se a gente, por assim dizer, se não toda, alguma, daquela que necessita de constante martírio a fim de minguar, pela força do tempo e da insistência.
Conheci alguém bem perto, entre outros não tão próximos, exactamente assim, que numa perfeita fusão com a natureza mais cruel, levou com a agrura da vida anos a fio, revelando uma força bruta, indestrutível, julgávamos nós. Erro crasso, concluímos, que se há coisa que se desgasta com o tempo, é a nossa rijeza, que por muito que pareça evoluir, mais não faz do que causar-nos um sério engano, uma pura ilusão na qual adormecemos em sossego, por nos julgarmos detentores de um interior sólido, que por nunca antes ter quebrado, jamais o fará.
Esquecemos, ignorantes, que tal como a rocha, que aguenta anos a fio as investidas do mar, um dia, num sopro de vento, ou num mísero pingo de chuva, caímos para não mais levantar. Não me julguem cá de mau agoiro. Nem que digo estas palavras, para abanar os fortes que por cá andam, que muito os louvo e admiro. Digo-as talvez num aviso, quiçá, a mim mesma destinado.

Lá dentro, e num contraste tremendo com a crueza da envolta, encontram-se. Nem bem percebem, o que ali os leva, mas temem que seja algo sério. Os dois. Num primeiro abraço à janela, baptizado a maresia forte, que deixa o sal na pele e a alegria na alma, descobrem.

2 comentários:

  1. Pois é por isso mesmo que antes ser árvore ou mesmo arbusto, que balança e raramente se parte, do que rocha :):):)

    ResponderEliminar
  2. "...descobrem." (agora eu ;) que o mar é azul líquido, e tanto o mar como as rochas na envolta escarpada são um do outro, como o "H" é do "2" e do "O". Só o conjunto da rocha estática e do mar revolto, fazem sentido. A água é como a dor do amor, só fazem sentido em conjunto, quando se sentem demasiado um do outro. H2O, ele e ela, o mar revolto e a rocha firme, "o sal na pele e a alegria na alma, descobrem".

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores