terça-feira, 25 de janeiro de 2011

...

Os usos e costumes são coisas nossas. Presas a nós como uma segunda pele, um prolongamento externo, uma vida à margem do corpo. Estranho-lhe alterações profundas, de quando me falta alguém que é meu. E com meu não falo em pertença, falo em partilha dos dias, em vivências comuns, em sítios iguais.
Que nunca se confunda, porque não existe gente minha.

2 comentários:

  1. E o que custa à gente passar sem eles! :):):)

    ResponderEliminar
  2. Lá diz a canção: "Ninguém é de ninguém, mesmo quando se ama alguém".

    :)

    Maria

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores