sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A Duquesa

Ontem vislumbrei umas coisas sobre a Duquesa de Alba. A Senhora, de aspecto um tanto ou quanto estranho, encontrou o amor aos oitenta e cinco, vindo de um corpo vinte e cinco anos mais novo. Um amor ainda de saúde, poderemos dizer. Acautelou a prol, e julgou possível cumprir o que lhe ia na vontade. E cumpriu. Se a digna Duquesa está a ser vítima de um qualquer embuste, capaz de a deixar na rua da amargura (no que confere ao coração, está mais do que visto que seria aí) não sei, e poderá ela também não saber. Mas se está feliz, não consigo deixar de a achar uma grande Mulher. Esta ideia pequenina, que quase todos temos dentro, de que a sociedade é que há-de escolher os nossos caminhos, carece de ser contrariada. Seja por quem for. Normalmente, é por quem seja capaz disso. Um bem haja à Duquesa. E que se calem as vozes alheias, de gente que ousa criticar, sem nunca conseguir ter a coragem de se evidenciar. Isso sim, é um problema.

2 comentários:

  1. Tenho exatamente a mesma opinião. Grande duquesa. Escolheu viver (desde sempre). Só pode ser extraordinária. AEfetivamente

    ResponderEliminar
  2. Apoiado. Fora as críticas (lidas na diagonal em blogs e sites portugueses) que a apontavam de ridícula espanhola, sem sequer saberem quem é a senhora, de que famílias provém, etc..

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores