quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Livros de auto-ajuda

Nas minhas incursões em livrarias, constato com frequência, que cada vez mais nascem livros de auto ajuda, que supostamente devem ter um efeito direccionado para a mente da pessoa, a fim de lhe trabalhar a postura, a atitude, a forma de ver a realidade. Não vale este meu parecer mais do que uma opinião, que eu mesma chego a discutir. Mas a meu ver, não passam de livros mornos, que não atingem nem de perto nem de longe o objectivo a que se propõem. Que nos livros podemos encontrar muitas das vezes, histórias de vida importantes, de onde retiramos isto ou aquilo que a nós bem se aplica, faz-me sentido, no patamar da partilha de experiências, do crescimento social. Agora um conjunto de conselhos, muitas das vezes pessoais, transformados num meio para que se aliviem processamentos mentais, individuais e únicos, soa-me sempre a abuso. Por outro lado, e confrontando mais uma vez a debilidade deste meu parecer, encontro-os amiúde, em algumas estantes de algumas casas, num lugar de destaque. Nessas alturas, volto sempre a questionar esta minha visão, e reconsidero a sua real utilidade, senão para mim, para qualquer outro alguém. Posso eu julga-los fracos, mas poderá haver quem os considere pertinentes, e os coloque num lugar de destaque, suportando neles as suas decisões. No fundo, e nos caminhos dos dias, o importante nem será o meio. Também não julgo que seja apenas o fim, independente dos trajectos e do respeito pelo outro. Não, isso nunca. Cada vez mais, e à medida que o tempo passa, julgo que o que importa mesmo é o sentimento que se vai experimentando até lá chegar. Nem sei bem onde, mas honestamente, e para minha tranquilidade interna, julgo que vou para algum lado. Nunca me senti bem a caminhar no vazio.

3 comentários:

  1. Acho esse tipo de livros ridículos, um nicho de mercado que se criou e que vende que nem pães quentes. Não critico quem os compra e lê, mas tal como dizes, os livros 'comuns', os romances desta vida sejam eles históricos ou apenas ficção, têm muito mais para nos ensinar!

    ResponderEliminar
  2. Sim, esses são ruins, então aqueles da senhora que fala com Deus.....

    ResponderEliminar
  3. Penso que há caminhos interessantes para a "auto-ajuda". Outros são claramente estupificantes. Mas mais ainda , e aqui falamos desses livros, pela total ausência de credibilidade com que são feitos. Não sendo credíveis, fidedignos,rigorosos, não oferecem nada a não ser ...confusão e dispersão. As aprendizagens são realmente feitas a partir das experiências e das reflexões interiores e não a partir de conselhos ridiculos tipo formula por parte de quem só quer vender. AEfetivamente

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores