segunda-feira, 6 de agosto de 2012

De dentro para fora

Manuel Fonseca seria um bom concorrente para ganhar a primeira página do Actual ( agora sem c, mas eu sou das teimosas) ao Pedro Mexia. Não que eles se encontrem em disputa, eu pelo menos desconheço o facto, mas é que ambos a merecem. Notou-se verdadeiramente nesta edição, muito embora aconteça em muitas outras. E depois haviam mais, de outras páginas e de outras paragens que não vêm ao caso, mas que ainda assim são dignos. A dignidade na escrita e na partilha de ideias é qualquer coisa de visceral. Vem de dentro para fora e não de fora para dentro. Quem escreve de fora para dentro nunca chega a lugar nenhum. Tal como quem vive ou como quem ama.

2 comentários:

  1. Cara CF
    Agradeço-lhe a sua apreciação, sumamente gentil. Julgo que sim, que tento escrever de dentro para fora, talvez com uma ironia de musseque, tantos foram os anos passados nos trópicos. Já a competição com o Pedro Mexia, apesar dos Olímpicos em curso, está fora dos meus horizontes e, certamente, dos dele. Longe vão os tempos em que a escrita era uma coisa de 100 metros e uns obstáculos. Hoje todos queremos paz e sossego. Obrigado mais uma vez pela simpatia.
    Manuel S. Fonseca

    ResponderEliminar
  2. Caro Manuel Fonseca, nada a agradecer. Foi uma apreciação franca que se estende a muitos outros textos seus. E sim, julgo que de facto escreve de dentro para fora, o que nem sempre se encontra. Obrigada pela visita e pela gentileza. CF

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores