quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Normas

Hoje bem cedo o Magalhães passeava-se na berma da estrada aos ziguezagues. A mãe dele falecida há muito, era uma senhora grande por dentro e por fora que tinha um colo capaz de o cuidar ao extremo porque ele, um pobre, tal não conseguia fazer. Via-se o colo dela a olho nu, ainda para mais porque era auxiliado por uns peitos enormes daqueles que até podem remeter para uma maternidade fácil e eterna. Foi desde essa morte que tudo mudou. Uma morte simples, uma simples morte. Veio na devida altura, se é que isso existe, estando a velha cansada de zelar um homem que deitou ao mundo na esperança do crescimento, mas que por motivos que provavelmente desconhecia deixou de crescer, tornando-se por isso um peso para acartar ao longo da vida, juntamente com a sua e enquanto ela pudesse. Nesse dia Magalhães foi visto na beira da estrada estendido ao sol, diz ele que a ver se aquecia, que sentia por dentro um gelo gelado capaz de o secar. Hoje deambula sem rumo, não faço ideia do que sente, e verdadeiramente, e muito embora o tenha dito, nem sei se sem norte. Pode perfeitamente tê-lo encontrado, não existe a obrigatoriedade de tal facto, se tiver surgido, ser por mim percepcionado.
Lembrei-me entretanto de um outro ser que não vejo há muito. Vivia dentro de uma casa composta à volta por um silvado denso e espinhoso, de onde nunca saía. A misericórdia levava comida uma vez por dia, até que em certa altura houve intento externo em acabar com aquela desgraça. Acompanhei o serviço e entrei na casa vedada até então. Lixo no chão, bichos diversos e uma estante cheia de livros interessantíssimos era a única coisa que havia ali, para além da própria pessoa, que normalmente emanava sorrisos dos olhos que naquele dia choravam. De facto, e a propósito de um apontamento surgido algures, a loucura é sempre um conceito estranho. Existirão as declaradas e atestadas por alterações reais, mas depois também existem muitas outras, que assim gostamos de chamar apenas porque não se enquadram naquilo que consideramos a norma. A norma, engraçado, também poderá ser uma loucura, pelo menos a meus olhos. Não acho nada normal haver quem não goste de chocolate, por exemplo. E isto, vem doce e de chocolate só para abrandar a questão.

6 comentários:

  1. Abrandando a questão, os loucos gostam de chocolate amargo, os "normais" de chocolate belga e os parvinhos (como eu) do branco. É uma loucura esta coisa da catalogação e um desplante aquela outra do maniqueísmo... :)

    ResponderEliminar
  2. Eu por cá gosto de todos. Mesmo. Ou seja, abrandando mais uma vez, tenho um pouquinho de tudo... :)

    ResponderEliminar
  3. Puxa, aceleras-te e de que maneira :)

    ResponderEliminar
  4. :) :) Nem acelerei. Dramatizei, que nada não existe.

    (Vou voltar aos saltos altos, salvo seja)

    ResponderEliminar
  5. Um dramazito, sim, não há nadas. Mas há poucos, oh se há...

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores