domingo, 26 de dezembro de 2010

Roupa velha

Era hoje o dia em que se comia roupa velha. Hoje e alguns outros no decorrer do ano, que os tempos eram de fome, e a abundância era coisa que não havia. Qualquer sobra, por norma de bacalhau, mas que também poderia ser de outra coisa, constituía a base para um refogado de azeite a alho, ao qual se juntava batata às rodelas, e tudo o que apetecesse. Diz quem a comia amiúde, com frequência assídua, por assim dizer, que o pitéu estava longe de ser saboroso, e que constituía apenas e só, uma maneira de pôr cobro à malvada da fome, fiel perseguidora de outras épocas, enquanto se dava uso aos restos da véspera. A minha avó falava-me dela, eu, nunca a comi. Estranhamente, ouço-a de novo, quase como se o hábito voltasse. Quem o trouxe, diz que por terras do norte, nunca se sumiu.

2 comentários:

  1. O meu sogro, que partiu vão uns bons anos, adorava roupa velha. Gostava tanto que se recusava a comer o cabrito ou o perú do dia de Natal! Para ele, o almoço de 25 era sempre roupa velha.

    ResponderEliminar
  2. ora eu comi no Serviço e estava muito boa=)
    feita com bastantes cominhos, alho, pimenta, batatas, couves, cenouras e bacalhau!

    tudo num refogado de azeite!

    faz pa veres como é bom=)

    C.

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores