segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Mãe

E o dia já passou. O dia em que a minha querida Mãe fez 56 anos, e eu julguei que eram 57. Até levei um bolo com o ano a mais. Ok, imperdoável, eu sei. Ainda assim, ela amou. O bolo, e as surpresas do neto, das filhas e do marido.
A minha mãe, é uma Mãe com um M grande. Uma Avó, com um A gigantesco, e uma Pessoa de P enorme. Serão todas assim, decerto. Mas a minha, é minha, e é muito, muito especial. Porque é das que está sempre ali. E sempre, é sempre, incondicionalmente. Quer eu acerte, quer eu erre, quer eu ria, quer eu chore. Tento estimá-la, o melhor que sei e posso, mas falho. Falho quando me irrito, falho quando estou triste. Falho assim, ás vezes, fazendo jus ao meu nariz empinado, e deixando por vezes, umas respostas rebeldes. Mas até hoje, e acho que até sempre, ela nunca me falhou. Ás vezes, julgo que é chata. Quando me impinge tudo e mais alguma coisa para eu levar para casa, quando quer que eu coma, porque se não fico magra de mais, quando quer que eu trabalhe menos, porque ando cansada. Mas isso, é no calor da hora. Pois logo de seguida, considero-me uma felizarda por te-la por perto. Dizem as teorias mais esotéricas, que são os filhos que escolhem as mães. As mães e os pais. Não sei se acredito, mas se assim for, não podia te escolhido melhor. Deixo mais um beijo enorme para ela. E para o ano, que a família se reúna toda outra vez.
Velas, já temos. Que tenhamos todo o resto, que tivemos hoje.

4 comentários:

  1. Aproveita e aproveita ao máximo. Hoje e amanhã. Sempre.
    :)

    ResponderEliminar
  2. Não quero desvalorizar nenhuma mãe, mas as mães desta geração dos 30, são mães como já não existem muitas por aí.

    ResponderEliminar
  3. Saber a idade é detalhe de menos. Importante mesmo é amá-las, e mimá-las. Às mães.

    ResponderEliminar
  4. Pois é as velas diziam 57. Imperdoável. Eu com o meu azar e desejeitamento teria levado aí 54 ou 55 porque acho sempre que as pessoas são mais novas. Teria sido mais simpático. Para a próxima vou eu ao bolo=)
    Mas foi bom sim. E é uma mãe com M grande sem dúvida. E nessa teoria das escolhas, não poderia ter escolhido família melhor=)
    beijinho mana*C.

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores