sábado, 14 de maio de 2011

Da barba e afins. Pequena consideração

Os Homens fazem a barba e queixam-se disso, como se fosse uma penosidade tamanha, como se por tal facto, imputado pela extrema necessidade de a fazer todos os dias, fosse um martírio matutino, que lhes rouba uns bons cinco minutos a todas as manhãs, sejam elas de verão, de inverno, de trabalho ou de descanso. Já pensei convidá-los ao esquecimento de tal tarefa, a todos no geral, disporem-se a ela apenas um dia entre outro, poupava-lhes trabalho, aumentaria a boa disposição, e o ar conseguido só abonaria em seu favor, independentemente da indumentaria ser livre, ou atafulhada de gravatas. Opiniões. Ainda assim, gostaria de desafia-los a ingressar na nossa pele medonhamente susceptível às variações hormonais, que num dia brilha muito e no outro não brilha nada, que num dia tem um pelo no buço, no outro umas sobrancelhas de bicho, enfim, uma tormenta, rematada com jeito e graça por uns cabelos no alto da nuca, que se querem escuros, mas que teimam em ficar brancos, com os quais travamos uma luta medonha, que vencemos momentâneamente, mas que acabamos sempre por perder, passados uns dias. Temos ainda as pernas, as quais usamos em nosso belo proveito e muito bem usadas, mas com as quais temos de ter um cuidado especial, que num pequeno descuido, e é vê-las minadas de pilosidades inestéticas tamanhas, a necessitarem de remoção imediata, de forma adequada e dolorosa, pela raiz, se é que me explico. Vamos nós rapa-las, tal como fazem à vossa barba, e ao invés de dois pedaços de seda macia, ganharemos dois troncos forrados a lixa, dos quais apetece manter distância, que esta coisa de gostos por barbas rijas, é cá pra nós, e nem bem sei o porquê. Ora perante esta explicação, que nem sequer vai longa, mas que assim se ficará, já dispomos de matéria suficiente para rematar, em jeito de conclusão, que a injustiça do mundo começou exactamente nestes míseros pormenores, que bem feitas as contas, e no final da vida, o tempo útil por nós gasto, nessas futilidades necessárias, seria suficiente para nos regalarmos em outras ocupações, que tudo bem somadinho, e ficaremos a anos luz de distância, em dispensa de horas, dos vossos minutitos gastos a contragosto, na hora do despertar. Somos umas mártires, esquecidas por Deus. Só por isso, merecíamos que baixassem sempre o tampo da sanita.

4 comentários:

  1. CF:
    3 coisinhas:
    1. não são 5 minutos, principalmente, em barbas de mais com um dia.Benefícios: um rosto bem escanhoado,a ronronar na pele da mulher pode operar milagres.
    2. nada como umas pernas sedosas, uma sensação do outro mundo á vista e ao tacto.Benefícios: nem preciso dizer, né?
    3. apoiado no que toca ao tampo da sanita, e vou mais longe - à paste de dentes no seu lugar, e de tampinha FECHADA. Benefícios: organização, higiene, harmonia, e propensão ao clima do rosto bem escanhoado, que juntamente com a perna sedosa, trarão benefícios. E que benefícios.
    :):):)

    ResponderEliminar
  2. LOL mas não baixam, quase nunca e olha que agora já há mulheres que também não sabem o que isso é, o que significa que em vez de avançarmos, recuamos...
    Quanto aos pêlos deixa-me dizer-te que tendem a desaparecer com a evolução, o que é uma excelente notícia, e que, mais século menos século, mais milénio menos milénio, nasceremos todos depenadinhos e macios para todo o sempre :):):)Alegrem-se os homens! de tanto chorarem hão-de nascer sem barba.

    ResponderEliminar
  3. Antígona, que vocês permaneçam depenadinhas e macias, acho muito bem, mas deixa-nos lá ficar com a barba, que nos dá um ar mais macho, além dp prazer de colocarmos o after-sahave :)

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores