quarta-feira, 11 de maio de 2011

Mãe anda... Mãe vou...



Ontem deu-me mais um, como se preciso fosse. Cresce a cada dia, e os factos acumulam-se em peso, não vão haver dúvidas. Cresce por dentro e por fora, e eu, inquieto-me. Encontro-lhe o caminho precioso da vida e orgulho-me nisso com um orgulho maior. Queria-o porém, num rasgo de puro egoísmo e loucura, debaixo da minha asa. Ou então, um despertar mais lento, mas sei, logicamente, que tal não é possível. Resta-me a mim a adaptação. Vou na procura, mas nem encontro onde sossegue. Por vezes, deparo-me com caminhos destes, onde deambulo perdida algures em lado nenhum, porque a coerência da vida, não encaixa com a do coração.

3 comentários:

  1. Eles crescem tão depressa.
    De facto, gostávamos que estivessem sempre debaixo da nossa asa. Protege-los do perigo, dos inimigos. Mas eles, à medida de crescem, vão deixando lentamente o lugar vago. É como se pedaços da nossa alma, do nosso ser, do nosso coração também partissem.

    ResponderEliminar
  2. Ai minha querida, e ainda agora começou...
    Já pensaste em arranjar outro? Ajuda... :):)

    ResponderEliminar
  3. Pensar, pensei, mas a conjuntura está agreste :) Em todos os sentidos e mais um :):) Escassez de recursos, é isso :):):)

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores