sábado, 16 de maio de 2009

E agora???


Sim, sou eu a casita...
E depois existem aquelas situações, em que, por ossos do ofício, nos vêm pedir ajuda para uma situação daquelas com as quais nos identificamos tanto que nos apetece fugir... É que nem pra nós sabemos qual a melhor forma de encarar o problema, quanto mais ajudar outro alguém a lidar com um, em tudo ou quase tudo semelhante... Mas por que raio não veio algum iluminado dar-me com uma marreta na cachimónia, quando se baixou em mim a ideia de ser Psicóloga?

Mas enfim... Diz-me alguém que muito prezo ( e não totalmente out of situation) para ver o lado bom da questão; que talvez o ajudar alguém a ultrapassar o assunto, me faça pensar com clareza, e retirar ideias para me ajudar a mim mesma. Assim, tipo livro de auto-ajuda para uso pessoal, não sei se estão a perceber... Pois pois, tá bem tá bem, isto é tudo muita giro mas quem alomba com a carga inteirinha é aqui a JE... Sim, a JE, que caso ainda não tenham percebido tem um ar de Rinoceronte, e toda a gente acha que aguenta com as cargas suas e da vizinhança, porque arruma sempre muito bem a casa, depois da tempestade. Vamos ver se isto é sempre assim; eu esforço-me para que seja, mas por vezes, o vendaval é de tal forma, que já me faz mossa. E aqui a vidinha é tão madrasta, que temo um dia que as forças esmoreçam. Com alguma confiança, tenho para mim que não... Espero sinceramente que a minha mente continue assim, e não se deixe embrenhar pela fraqueza colectiva. Sim, porque tal como já vos disse por aqui, sou das que chama as coisas pelos nomes sem qualquer problema. E tenho cá para mim, que pelo menos por enquanto, os meus alicerces se aguentam... E podem chamar-me presunçosa há vontade, que é para o lado que eu durmo melhor...

2 comentários:

  1. Cara CF;
    O distanciamento emocional é deveras difícil de se manter.
    Quando somos confrantados por situações que nos são muito semelhantes, somos quase sempre tentados a não encontrar soluções mas sim a tentarmos não agravar um "problema!".
    De qualquer forma, concordo inteiramente com esse seu amigo. Aproveite a situação para aclarar o que´a deixa reticente, sem temer que possa estar a ser demasiado egoísta.
    Verá que todos irão sair a ganhar! :)
    Saudações.

    ResponderEliminar
  2. Por vezes é difícil conseguir manter um certo distanciamento emocional em situações em que isso é o mínimo desejável.
    Por mais profissionais que possamos ser, nunca seremos máquinas, sem sentimentos, sem situações em que nos revemos.
    Na verdade, concordo com o seu amigo; aproveite esta situação e encare-a como uma espécie de auto-ajuda.
    Não tem de recear estar a dar conselhos a alguém que julga que se pliquem a si, porque quando o está a fazer, com certeza que está a dar o seu melhor.
    Verá que tudo correrá bem.
    :)*

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores