quarta-feira, 19 de maio de 2010

Conclusões

Cheguei a julgar em tempos, numa ingenuidade suprema, ser simples. Simples, no trato, fácil de contentar. Para nos entretantos descobrir que sou complicada, como não há por aí. E concluo isso não propriamente pelo que exijo, mas pelo que me dão, sempre aquém, ténue, frágil, mas dado com uma pose de magnitude, de como se tudo estivesse ali, quando eu acho que ali, não está nada.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores