sábado, 5 de junho de 2010

Percas

Pertenço a uma estranha estirpe. Dou-me, muito, sempre que posso e assim o entendo. Se não puder, ou não entender, não me dou e pronto, que a vida já me exige tanto, não vou eu exigir ainda mais em cima. Mas nada espero em troca de mim. Da minha companhia, da minha amizade, do meu eu. Entristece-me quando sinto que me cobram, ainda que dissimuladamente. Um toma mas olha que fiz. Um posso, mas porque deixei de. Talvez por isso, a cada dia, menos peço. Perdes, dizem-me. Eu sei que perco. Mas os ganhos que tenho são genuínos.

3 comentários:

  1. São aquelas pessoas que acham que uma amizade só vale por aquilo que lhes podes dar... Sei bem o que sentes e concordo plenamente contigo.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. quando não nos dão, devemos dar. não tudo, isso não. mas alguma coisa. devemos. só assim é que mostramos como somos melhores. :)

    ResponderEliminar
  3. O escritor Luís Fernando Veríssimo, chama-lhes "o amigo cobrador", aquele que apresenta a factura no fim de um suposto acto natural de amizade. Cobrador, sim. Amigo, não.

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores