terça-feira, 8 de maio de 2012

...

Já tem tentado escrever ao som da música, tal qual faz outras coisas onde se deixa levar, como disse por aqui, num qualquer dia que já passou. Não deve, e então estanca. Não ouve melodias vãs, inunda-se de acordes perfeitos, sons que a percorrem por dentro e a deixam num estado de iminente fragilidade, capaz de deixar transparecer o latente da alma, coisa pouca para vós, carga imensa para ela que a sente. A deixar-se escrever ao que ouve, a permitir-se que lhe escorram dos dedos os sentires que crava no corpo, a cada dia, e cada vez mais fundo, e por certo atingiria a gente que ousaria ler-lhe as palavras, que transbordariam dor, amor, sentido e sofrimento, numa amálgama grandiosa, que só o é pela vicissitude. Não deseja a ninguém tamanha crueldade, pelo que guarda quase tudo para si. Deixa-se transparecer devagarinho, em pequenos nadas diante do que a compõe, apenas para que não atafulhe o corpo e o espírito de matéria podre, que a mataria aos poucos, por dentro e por fora, aos olhos de toda a gente.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores