terça-feira, 8 de maio de 2012

Primavera

Quando o sol me estreita pelas aberturas das nuvens, e muito embora eu seja da chuva, como já disse tantas vezes, ganho uma vontade significativa de me deixar inundar pela frivolidade da vida.  De envergar um vestido florido, calçar uma chinela colorida, e passear no mundo sem destino nenhum, encontrar o que calhar, ver o que conseguir apanhar com os olhos, e arrumar cá dentro tudo o que cá caiba, entre um pulsar forte no peito e um nicho de vivências idas.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores