quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Aparências

Intriga-me esta extrema urgência em aparentar. Como se o nosso Eu, e o nosso intimo disso sobrevivessem. Como se a nossa existência, depende-se das sensações criadas nos outros. Como se a realidade transmitida, nos desse mais, do que a realidade sentida. Como se me valesse para algo, o que os outros julgam ser a minha vida.
Enquadra-se esta perspectiva na falsidade dos dias, das pessoas e da sociedade. Cada vez mais. Há coisas, nas quais regredimos no tempo. Em eras longínquas, abraçava-se, beijava-se, sorria-se ou chorava-se, de acordo com a vontade. Não de acordo com as opiniões. Os cérebros evoluídos também têm um lado lunar. Ou é isso, ou não são tão evoluídos assim.

3 comentários:

  1. Sábias palavras que me levam a questionar se esta "extrema urgência em aparentar" é também responsável pela minha poesia, pelo meu blog, pela minha atividade neste "mundo virtual", no qual me sinto gratificado pelos comentários recebidos, pelos novos "amigos" que aderem ao blog, etc etc etc.
    Provavelmente, sim, mas é lucubração pra mais de metro.

    Ótimo post.

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. É a soma da pressão do social com o ego de cada um...digo eu...

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores