terça-feira, 3 de abril de 2012

Provas

Disse-me entre dentes que já tinha usado um anel com uma caveira, em tempos de adolescente. Tenho para mim, acredito piamente e com uma efectividade de carácter determinante, que existem coisas que sucedem apenas para nos fazer crer na inconstância do Homem, na sua maleabilidade e capacidade de mudança. Esta, por exemplo, mero dado vindo de uma boca ornamentada a gravata e a botão de punho, é uma das que me faz a cada passo, tornar-me numa pessoa crente na volubilidade e na instabilidade. Ora isto vale-me de muito todos os dias da minha vida, porque me convence não só da nossa tendência para podermos pisar vários mundos, como também da nossa apetência para efectuar grandes mudanças de fundo, o que convenhamos, é totalmente condizente com a sociedade actual, onde tudo ou quase pode acontecer e ainda bem, desde homens de negócios que já usaram anéis com caveira, e que os guardam, inclusive, como recordação dos saudosos tempos, a pessoas que já foram muito más e que agora são um bocadinho menos, porque já viram no mundo o suficiente para que isso possa acontecer. São raridades, bem sei disso, existem inversos, também é necessário conceber, mas ainda assim a simples possibilidade de transformações, dá-me um aconchego consistente, um descanso forte e exacerbado, tudo porque não consigo apreciar a rigidez da mente. Fujo dela. Assusta-me, prende-me os membros, mata-me o ânimo e a vontade.

2 comentários:

  1. Não sei se chamaria a isso "rigidez da mente". Já vi fervorosos activistas transformarem-se em intensos conservadores. A questão, creio, passará por outro índice de elasticidade. Na amplitude dos contrastes (em música, chamar-se-á tessitura) não pesa a intensidade, mas a capacidade de aproximação à própria natureza, índole, chancela. Assim, alguém intenso, muito dificilmente conseguirá suavidade; mas alguém próximo da sua realidade, será o que terá de ser (também e só intenso, se for o caso). Mas menos flutuante, ou mais coerente a si próprio.

    ResponderEliminar
  2. :) Toda a razão. Falo aqui mais no sentido da transformação e da mudança, no entanto esse ponto de vista não deixa de ser valioso...

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores