sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Silêncios

Às vezes faz-se silêncio. Sou livre de me silenciar ou ausentar, é um direito que me assiste.
Nada é tão amplo como o silêncio, onde tudo cabe e tudo se pode excluir. Poderemos projectar-nos nele, e deixar que o nosso corpo construa o que pretende, quando, mísero, ousa interpretá-lo. Não simpatizo que tentem perceber o meus silêncios ou as minhas ausências, a não ser, obviamente, quando se encontra implícita essa tentativa da minha parte, em situações particulares e específicas. Os meus silêncios podem chegar a ser opacos, e logo passíveis de se tornarem enganosos, ainda que não seja essa a sua função. Podem induzir em erro quem me tenta escutar com os olhos, e que julga possuir mestria para tal afoite. O silêncio faz parte de mim, organiza-me, arruma-me, suporta-me. Às vezes guarda-me num colo discreto.

2 comentários:

  1. :):):) e qualquer tentativa é uma intrusão :):)

    ResponderEliminar
  2. Também gosto e preciso dos meus silêncios. E não gosto que me tirem deles com o espanto de que não deveria neles estar. E não gosto que os interpretem - sabem lá. :)

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores