sábado, 6 de novembro de 2010

Amor

Por vezes falo nele, que a palavra por si só já é tão linda, e muito embora possa nem parecer, a ela me rendo, que mais fazer, perante tamanha singularidade?
Nem bem me permito pensá-la a fundo, numa completa contradição à minha natureza, que a fazê-lo, ficarei por certo tomada de assalto, que a dita, já me tratou bem como já me tratou mal, como se fosse merecedora de tal trato, eu, que quando lhe chego, a ela, à palavra divina, nem deixo lugar a crivos, que sou clara como água. Julgo até por vezes, ser esta clareza desmedida a causadora de desconforto, que a ser em excesso, poderá acarretar estas vicissitudes, que talvez assuste um mundo gerido e vivido em constructos fictícios ou não, nem bem se sabe ao certo, onde um começa, onde outro termina.
Nem me irei aqui permitir a excessos de devaneio, ousando dizer, por exemplo, que é palavra plausível de acartar crise ou outro sinónimo denominador do risco, que na Humanidade, ainda que necessitando de caos, sempre descobrimos a ordem, e nem por isso seria sensato, julgar em perigo tamanho sentimento.
Julgo-nos porém numa era, em que se encontra em estado subtil, se assim lhe pudermos chamar, um estado embrenhado numa série de interesses que não os reais, subjugado a grandezas que não as devidas, inundado em riscos, se não de fim, impossível, bem sei, pelo menos de ausência de plenitude. Se não sempre, que a terminar assim, de tão grosseira maneira, poderei até despoletar sentimentos de revolta a quem dele vive a bom viver, pelo menos muito. Ou pelo menos, muito em mim.

3 comentários:

  1. A clareza desmedida causa desconfortos, sem dúvida, e mesmo medos. Já é rara a transparência e os sentimentos pristinos. Beijo!

    ResponderEliminar
  2. Falas de amor CF...falas com facilidade dele, com frontalidade. Gostaria de assim conseguir falar. Falo do amor puro e sincero, daquele que se sente sem se querer sentir...ou que se quer...ou que não se quer. O amor que me tem tornado o coração pequenino neste últimos tempos e que ao mesmo tempo tem abundado dentro de mim. É possível amar aos 38 como se amou aos 18? com a mesma intensidade ou uma intensidade ainda maior?
    ...

    ResponderEliminar
  3. Querida Sandra, jugo possível, a intensidade ser ainda maior. Não apresenta é o arrebatamento dos 18, julgo que acarta um outro sossego...

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores