terça-feira, 17 de novembro de 2009

Confissões...

Aqui me confesso, a fim de não o fazer em outros estaminés menos próprios. Também, de resto, pouca gente sabe quem é a Mulher que não chora. E os que sabem, que se aguentem, ou, ao invés, que saltem o post, a fim de não levarem com esta minha confissão, vinda directamente das profundezas do meu ser.

Sofro, freneticamente de um terrível defeito. Talvez, e numa de desculpa, por tão enorme fraqueza, tenha a ver com o facto de ter uma personalidade forte e marcada. Não suporto, mesmo, que me firam o orgulho. Não sou uma orgulhosa descomedida, de tudo e de nada. Quando me orgulho, é com legitimidade, em algo que construo. Por isso, quando me dou ao desbarato, me esfalfo, visto a camisola, e recebo uma atitude que julgo não merecer, é coisita para me deixar furiosa. E é exactamente aí que me torno perigosa.
Tenho de suportar, são as injustiças do mundo e tal, dirão vocês. Eu sei, eu sei. Mas o pior, é que me atinge deveras, e, por norma, reajo bruscamente nestas situações. Logo, e não obstante o corte nos saltos ainda há pouco, já me ter colocado no limiar do perigo, eis se não quando, levo com uma injustiça laboral. Feita de forma talvez inofensiva, mas feita. Não gosto. E quando me deixam assim, fico fria, dura, e afasto-me de todo. Lamento desiludir quem possa achar-me um doce. Sou, mas também posso não ser. E quando não sou, sou do mais amargo que existe. Não gosto de ser assim. De posições tão extremas. Mas isto de ser Psicóloga, em casa própria não me vale de muito. Limitações. Fosse eu canalizadora, ou assim. Ao menos podia arranjar a torneira da cozinha que pinga há três quinze dias...

3 comentários:

  1. Coisas como a torneira são sempre fáceis de resolver, agora as situações que nos levam aos antípodas da nossa essência, são mais complicadas, creio.
    Mas o que fazemos no dia-a-dia não é consertar os "canos" da nossa vida, sendo que, por mais extremo que seja o contorno a fazermos, se no fim "não pingar nada desse cano" então contínuamos nós próprios e únicos.

    ResponderEliminar
  2. Sei infelizmente e de há algum tempo para cá o que são injustiças laborais. Como se há coisa que me tira do sério é qualquer tipo de injustiça que seja, tem sido uma guerra fria.

    Estou à espera da mudança que espero está para breve.

    Mas uma coisa é certa CF do que leio de ti, não és de ficar de braços cruzados. Mas nestes casos as coisas têm de ser ponderados e agir na hora certa. É que isso de ter o coração perto da boca e a reacção a quente, geralmente só trás dissabores, falo de experi~encia feita.

    Mas quem sou eu...tu é que és a psicóloga!

    Boa sorte
    :)

    ResponderEliminar
  3. É a amplitude !!! Imensa, que te torna maior! Um beijinho e obrigada!

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores