domingo, 21 de março de 2010

Momentos

Pela manhã, bem cedo, muni-me da Máxima e da Nós Melancólicos, de imediato afiambrada, por alguém que vai passar o Domingo de papo para o ar, o que não é o meu caso. Ainda não me dediquei a sério a ela, fica para o serão, que vou reivindicá-la, pois claro. Gostei deste primeiro dia de Primavera, como quem gosta de um beijo doce que já não recebe à muito. Aproveitei-o, é isso. Levei com o sol na testa, beberiquei um sumo lith de ananás e coco, e junto ao lago do jardim, no meio da relva, senti-me tranquila. No fundo, sou uma alma satisfeita com as pequenas coisas. Pena que ás vezes, essas pequenas coisas tão importantes, nos fujam ao alcance quase sem darmos por isso. Não pensem que estamos ilibados da culpa no cartório. Muitas das vezes, as pequenas fogem-nos, porque nos preocupamos excessivamente, com as grandes que tanto queremos. Erro. Erro crasso, e terrivelmente castrador de momentos felizes. O tempo. O tempo, esse conceito abstracto e relativo, é um bem daqueles preciosos, que trocamos amiúde por isto e por aquilo, sem percebermos, na nossa ingenuidade humana, que quando o ganhamos, ou aproveitamos, conseguimos ser quase felizes.

3 comentários:

  1. O Cartório é feito de muitas culpas(!) e a vida de pequenas (grandes) coisas. Um beijo. :)

    ResponderEliminar
  2. Como tens razao CF....como tens razão!!!

    ResponderEliminar
  3. É isso mesmo, assino por baixo.
    Ontem foi dia de dar as boas vindas ao Sol, e claro, molhar os pés de água salgada. Boa semana :)

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores