sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Erros na perfeição

Quase em elogio de loucura, julgamos perfeita a Natureza, dizemos por aí até, de boca cheia e desinsofrida, que ela sabe o que faz, lemos quem a venera, quem lhe estuda a evolução, quem lhe conhece os segredos, e julga-mo-la assim, capaz de tudo, como se numa elipse coesa esta se regesse, quando nada assim acontece, que em muito nos falha, em muito nos falta, em muito nos erra. Nem propriamente me julgo capaz de desafia-la, que perfeita, imperfeita, o que quer que seja, que de resto, nem me cabe a mim avalia-la, assume-se perante nós como detentora de um poder infinito, de uma sapiência que a nós nos foge, comuns mortais, a quem nos chega, ou deveria chegar, o entendimento da nossa própria existência, pelo que sensato, seria esquecer o resto, para que outras superioridades entendam, expliquem, analisem.
Ainda assim, encarando evoluções, adaptações, leis que a tal da natureza nos impõe e nos sujeita, nem bem encontro encaixe para aberrações que teimam em surgir, como dois seres que nascem pegados, um ao outro, partilhando órgãos vitais. Tudo para nos dizer, que nem encontro outra serventia, que a tal da Natureza também se engana, também erra sem sentido, sem lógica ou objectivo, que nem bem sei o que nos pode dar, em crescimento ou evolução, tão dramática situação, que assim surge em Países diminuídos e frágeis, embora verdade seja dita, que surja onde surgir, encontrará fragilidade à volta, que por si só encarregar-se-á de a instalar, tal a impotência em que nos deixa.
Nem bem sei que sentirão pais, a quem se afigura tal desafio, que para além da cruel, dolorosa e pesada carga da perca, acarta ainda o insólito da raridade, que por certo acenderá a revolta, o transtorno, a indignação.
Resta-me crer, que o sofrimento sentido por estes pequenos seres pegados e indefesos, nem por isso tenha sido muito severo, mas ainda assim, mesmo enquadrando tais falhas em terreno ameno e brando, do qual me socorro para meu sossego, sem conhecimento real da sua existência, renego-lhe a utilidade. Porque sim.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores