sábado, 2 de outubro de 2010

Folhados


Já vos por cá falei da pastelaria que me atormenta a alma. A alma, nem sei se será certo dizer, o estômago, esse sim é um verdadeiro atormentado, ainda por cima, que ao invés de lhe fazer o gosto, e de o encher até ao limite com os acepipes que se me apresentam, corto-lhe o trato, e alimento-o do que bem me apetece, ou melhor, do que entendo que deve ser, que a fazer o que me apetecia, nem estômago, nem alma, nem gosto, sairiam dali prejudicados e de sentidos minguados.

Gosto especialmente dos folhados de chocolate, estaladiços e cobertos de gema dourados no forno, que me acenam ao de longe, numa provocação tremenda ao meu ser. O pasteleiro, um Homem baixo e sem graça, mas de mãos mágicas e prendadas, já me conhece as fraquezas, terrível coisa lhe dei a saber, que agora, mal lá entro a fim de trazer o pão, acena-me ao longe e sorri, como que a querer dizer-me, hoje não sais daqui sem um daqueles. Umas vezes acerta, outras não, mas chego a ganhar-lhe azia, pelo poder que julga ter, ou que tem, nem bem sei dizer. A minha entrada no estabelecimento, faz-se por ora a rezar para não o ver, numa ladainha patética e por vezes inútil, ao mesmo tempo que desvio o meu olhar teimoso da prateleira dos bolos, enquanto sigo directa e rápida, à banca do pão. Peço os três do costume, de mistura ou cereais, e concentro-me o mais que consigo, repetindo internamente hoje não, hoje não, um número considerável de vezes.
Um outro dia, após ver a Nigella na Sic Mulher, descubro uma maneira simples e eficaz de os fazer em casa de forma deliciosa, e nem sei se fiquei triste se contente.
Até aí, nos dias de maior fraqueza, comprava o pão em outro local mais inofensivo, mas agora, com a agravante de saber fazer qualquer coisa semelhante, e em tempo recorde, o problema assumiu proporções preocupantes. Bem sei que a culpa disto nem é toda do pobre estômago, que aqui acuso à descarada, como se mais nenhum bandido existisse na história, um bode expiatório, diria eu. Ainda assim, bem podia dar-me uma ajuda mais efectiva, que era de todo benvinda, mas nada disso me faz.
Agora vou até ali comer um. Ou dois ou mais, sei lá eu quantos vão ser.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixar um sorriso...

Seguidores