terça-feira, 19 de outubro de 2010

Ingratidão, para usar palavra branda

Toda a vida mandou, que nem outra coisa consegue fazer, tendo até uma praceta em Angola de seu nome, que foi governador em terras longínquas, merecendo por isso tal distinção. Na decorrência de um Acidente Vascular Cerebral, vulgo trombose, que o limita ao infinito, nem bem mastiga, nem bem fala, mas consegue berrar, mandar coices e desdenhar, como toda a vida fez aos pobres que escravizou, em quem mandava sem dó nem piedade. A dependência aguçou-lhe ainda mais a ruindade, dizem as filhas, pobres criaturas, que se viram sujeitas à sua voz de comando, que quando era apenas e só voz, já elas se davam por contentes, que havia dias, muitos a bem da verdade se diga, em que a voz por si só nem parecia chegar, pelo que se munia da bengala para que o trabalho saísse perfeito. Não saiu, mas enfim, é só um aparte.
A mulher, que a ele se dedicou, com extrema dedicação e devoção ilimitada, sujeitou-se também ela, aos tratos que bem entendia dar-lhe, que segundo se conta, de meigos, nada tinham, que mulher era para servir o Homem, zela-lo e acudir-lhe as mais diversas necessidades, apenas e só. Já por cá nem se encontra, que sucumbiu de doença má, daquelas que atacam sem dó nem piedade, muitas das vezes, quem por cá muito já sofreu, como se o destino, fosse coisa cega e injusta, que muito castiga os já castigados, presenteando com longas vidas, os que sempre foram bem fadados. Nem há quem o entenda.

Hoje chora por ela com lágrimas que quase dão pena a quem as vê escorrerem-lhe dos olhos, que os soluços do choro desesperado assolam-no com toda a força, ao ponto do descontrolo ser tal, que com frequência surge o grito incontrolável, que dá vontade de afagar a cabeça branca e esquecer as atrocidades que lhe saem da boca de quando em vez, muita vez, diga-se assim, a fim de não se faltar com verdade ao discurso. Também eu já tive bem chegado a mim, algo muito parecido, quase igual, mais coisa menos coisa, posso dizê-lo. Bem sei que amar mortos, é do mais fácil que há no mundo, que não chateiam, não reclamam, não reivindicam, apenas e só se chora por eles com um amor dito maior, quer se tenham cuidado em vida, quer se tenham desdenhado até ao infinito. Ainda assim, julgo ir além. Julgo incluirem-se tais atitudes, que quase nem compreendo, na falta que atribuímos ao que desaparece, que quando temos no regaço, quase esquecemos o quanto nos vale. Ingratos, é o que somos, que quase todos pecamos por isso, embora o possamos fazer em menor escala.

Ainda assim, num remate conclusivo que se impõe neste discurso, nem bem sei até que ponto, quem por cá fica em moldes assim, não sofre um castigo pesado, que chorar mortos nem será fácil, e o remorso, talvez até ande por lá. Ou então nem anda e eu julgo que sim.

3 comentários:

  1. Se calhar foi para isso mesmo que lhe sobreviveu - para a chorar e lhe sentir a falta.
    Cá se fazem, cá se pagam...

    ResponderEliminar
  2. Na hora do regresso, constato que continua a ser um prazer bater a esta porta. Hoje venho só para cumprimentar. Vou completar as visitas e depois regresso.

    ResponderEliminar

Deixar um sorriso...

Seguidores